Um tributo ao “Grupo Amadeus” – 20 anos

Trinta e um anos se passaram trabalhando para o Sistema Educacional e muitas experiências fascinantes foram vividas, entretanto uma das mais importantes foi sem dúvidas a criação do Grupo Amadeus que foi um cometa que passou em nossas vidas deixando marcas profundas e indeléveis… uma de suas primeiras participações foi na conferência da estaca João Pessoa no dia 07 de março de 1999, mas ainda não anunciado como Grupo Amadeus; seu lançamento oficial foi no dia 16 de julho de 1999, inicialmente com 20 participantes, na primeira sede do instituto que localizava-se na “casa rosa”, praça da independência nº 715. Neste dia foi realizado um churrasco como jantar com a presença dos três presidentes de estacas com suas esposas além da presença de vários outros líderes de destaque da cidade. Tinha como proposta inicial apenas ser um coro, entretanto em função do talento demonstrado nas brilhantes apresentações iniciais, recebeu proposta do Elder Pedro Penha, na época diretor de área do SEI, de realizar uma peça teatral e prontamente todos aceitaram o grande desafio. É claro e evidente que todos os componentes do grupo e foram muitos, tiveram um papel marcante, entretanto jamais poderia deixar de mencionar os três pilares de sustentação desse inesquecível e amado grupo, que foram o Ailton Gomes Dutra, atuando como presidente; o Anderson Correia, como regente e maestro e Khristina Cruz, como diretora, produtora e roteirista da parte de teatro.
Dentre as tantas produções e apresentações podemos destacar “A História de Todos os Tempos” e “Um Canto Eterno”; inúmeras apresentações no shopping Manaira na época do Natal; produção de vários festivais de música em capelas e na própria sede; apresentações de destaque em todos os Serões do Instituto; uma brilhante apresentação no palácio do governo durante o mandato do governador José Maranhão; além de outras apresentações no espaço cultural José Lins do Rêgo, no Teatro Santa Rosa, no Teatro da Universidade Federal do Recife e a inesquecível participação do grupo na dedicação solene do Templo do Recife no dia 15 de dezembro do ano 2000, cantando ao lado do profeta, o presidente Gordon B. Hincley na Sala Celestial. Esses momentos ficaram eternizados na mente de cada um que teve o privilégio de fazer parte dessa história sem fim…
O encantamento do Grupo Amadeus não consiste apenas nas apresentações, mas especificamente nos bastidores, que de forma sensacional deixou um legado de experiências promovedoras de fé… os momentos vividos nos ensaios do coral e das peças teatrais; quantos ensaios até tarde da noite varando muitas vezes a madrugada, que proporcionaram oportunidade de serviço ao próximo a muitos queridos irmãos que com carro se disponibilizavam para deixar em suas casas cada um dos participantes. Os lanches improvisados, as brincadeiras feitas por todos, as broncas recebidas nos ensaios, as horas devotadas ao estudo para decorar as falas de cada personagem, os momentos de bate-papo nos intervalos, a correria nos camarins para a troca de figurino, muitas histórias para se conseguir todos os equipamentos e confeccionar todas as roupas necessárias para essas peças… os bons momentos nas viagens feitas de ônibus para transportar a todos, que em pouco tempo chegou a quase 80 pessoas. Destaco aqui o apoio incondicional de Antônio Chaves, Edclay Diniz, Paulinho Santos e Aninha Santos. Não é fácil dirigir 80 pessoas… Todos nós neste momento, reverenciamos e retiramos o chapeu para Ailton, Anderson e Christina! Muitos outros contribuiram direta e indiretamente para o êxito do grupo Amadeus e seremos eternamente gratos a todos por sua generosa contribuição. Houve muita consagração de tempo, talento e também literalmente de dinheiro. Certamente a maior herança que ficou desse grandioso trabalho foi a verdadeira amizade que permaneceu enraizada até hoje entre todos os componentes do grupo.
Os Beatles e os Rolling Stone já se foram, Beethoven e Mozart também partiram… muitos outros gênios da música e do teatro passaram e deixaram sua história e seu legado; igualmente o Grupo Amadeus também passou com uma carreira meteórica que nos abrilhantou por exatamente 03 anos e 14 dias , quando encerrou sua magnífica jornada em sua belíssima apresentação no teatro da universidade federal do Recife numa terça feira dia 30 de julho de 2002. Muitas lágrimas rolaram nas faces das pessoas, entre elas, as minhas, ouvindo e vendo o Grupo Amadeus tantas vezes se apresentar… muitos foram tocados pelo Espírito com suas deslumbrantes apresentações e como forma de agradecimento, Invoco as bençãos do Senhor dadas ao povo de Israel a cada um dos quase 80 participantes do Grupo Amadeus: “O SENHOR te abençõe e te guarde; O SENHOR faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti; O SENHOR sobre ti levante o seu rosto, e te dê a paz” (Num 6:24-27). O tempo passou, a memória não acabou… a história ficou…. Grupo Amadeus, uma história sem fim! Joel Fernandes